A Terra na mão dos jovens

E, logicamente, os oceanos.

Um jovem carioca, Vinícius de Carvalho, ex-aluno de Engenharia Ambiental da Universidade Federal do Rio de Janeiro-UFRJ, observou vários projetos criados com o intuito de retirarem os plásticos dos rios e mares. Durante dois anos, Vinícius verificou as possibilidades para a despoluição dos oceanos e dos rios e garante ter encontrado uma tecnologia mais barata e mais eficiente para o recolhimento de plásticos.

“Não inventei nada novo, apenas analisei todos os sistemas já existentes no mercado, seus pontos de eficácia e suas falhas e aprimorei”, diz Vinicius.

Ser jovem e cientista no Brasil, não é fácil. Vinicius procura investidores.
E, prudentemente, não dá muitos detalhes do seu sistema.

Quando se fala em lixo plástico, especificamente, 13 milhões de toneladas chegam até os oceanos a cada ano, grande parte proveniente dos rios, que transportam o lixo das cidades e do campo até a praia. Itens como sacolas plásticas, canudos e embalagens de alimentos são descartados incorretamente nas ruas, eles voam com o vento, entopem bueiros, aumentam o risco de enchentes e acabam nos rios e nos mares.

No mundo, dez rios carregam sozinhos mais de 90% dos resíduos plásticos que acabam nos oceanos. O maior rio da Ásia, o Yangtzé (China), é responsável pelo transporte de 1.469.481 toneladas. Já o Indo (Índia) conduz 164.332 toneladas, o Rio Amarelo (China) 124.249 toneladas e o Nilo (Egito) 84.792 toneladas. Na África, o Níger (Guiné, Mali, Níger, Benim e Nigéria) deságua 35.196 toneladas de plástico no mar. (fonte: Nações Unidas.org – ONU)

Fonte: G1