O mordomo é o culpado da crise hídrica?!

Atividades que mais consomem água no Brasil e no mundo.

Embora o uso doméstico deva ser contido para evitar o desperdício de água, precisamos conhecer as práticas que mais consomem água para a adoção de medidas mais eficazes. Frequentemente nos deparamos com reportagens e campanhas de conscientização afirmando que o consumo doméstico da água é muito elevado e que nós precisamos adotar medidas para realizar uma maior economia desse importante recurso natural, haja vista que a água é o bem mais estratégico do planeta e que pode entrar em escassez caso não haja a sua conservação.

O uso doméstico não é o principal responsável por esse elevado consumo. Se analisarmos detalhadamente as atividades que mais consomem água no mundo e também no Brasil, constataremos que existem várias atividades socioeconômicas que gastam ainda mais os recursos hídricos. Então, embora seja importante que nós, em nossas casas, procuremos evitar o consumo exagerado de água, é importante sabermos quem é o verdadeiro vilão dessa história.

Agropecuária

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), é a atividade agropecuária a principal responsável pelo uso da água. De acordo com a entidade, 70% de toda a água consumida no mundo é utilizada na irrigação das lavouras, número que se eleva para 72% no caso do Brasil, que é um país com forte produção nesse setor da economia.

Indústria

Depois do setor agrícola, vem a atividade industrial, que é responsável por 22% do consumo de água no mundo. Somente depois vem o uso doméstico, que é responsável por cerca de 8% de toda a utilização dos recursos hídricos. Esse cenário revela que não apenas as casas e os comércios devem economizar, mas também os setores primário e secundário da economia, adotando medidas de contenção da utilização de água.

Números

Para se ter uma ideia dessa diferença de consumo, vamos considerar alguns exemplos: para produzir 1 kg de carne de boi, são utilizados 15,4 mil litros de água; uma camiseta de algodão custa 2,5 mil litros; uma tonelada de aço leva 300 mil litros; e um carro gasta mais de 400 mil. No meio agrícola, a soja é uma das campeãs, com 1,8 mil litro para cada quilo produzido – lembrando que o Brasil é um dos maiores produtores e exportadores mundiais desse produto.

Ainda segundo a FAO, a agricultura é o setor da economia que mais necessita da imposição de medidas de redução do consumo de água, pois cerca de 60% de toda a água empregada na irrigação estaria sendo perdida por desperdício. Assim, os mesmos estudos apontam que uma redução de 10% dessa perda seria o suficiente para abastecer o dobro da população mundial atual, em termos de média estatística.

Assim sendo, algumas das medidas é a adoção de formas alternativas de irrigação, tais como o gotejamentoNesse processo, em vez de haver desperdício gerado pela irrigação comum, é utilizado um sistema em que apenas algumas gotas são utilizadas para umedecer os solos e garantir ao vegetal cultivado o suficiente para a sua sustentação. Se medidas como essa se difundirem no meio rural do Brasil e do mundo, milhões de litros de água deixarão de ser desperdiçados.

Conclusão: Economize, mas saiba que você não é o mordomo culpado nessa história. E que as campanhas dos governos e das concessionárias de água, assim como, as notícias veiculadas na mídia deveriam ser mais esclarecedoras e cobrar medidas desses setores. Que tal um imposto social?

Fonte: Brasil Escola /Rodolfo Alves Pena