Rios “invisíveis”

Modelo de grandes cidades escondeu rios e tratou água como mercadoria.

São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte pararam neste ano de 2020. E isso foi antes do coronavírus chegar às terras brasileiras. Mas agora quem é que lembra das enchentes de janeiro passado, fora aqueles que foram diretamente atingidos por elas? O excesso ou a falta de água (lembra da seca e do desabastecimento dos anos 2014-15 na Grande São Paulo?) nas grandes cidades brasileiras revela a nossa dificuldade de lidar com a substância essencial para a nossa sobrevivência. Especialmente agora, época em que lavar as mãos com água e sabão se tornou assunto obrigatório e a melhor forma de evitar contaminação em meio a uma pandemia como a do coronavírus.

Em 1992, a Organização das Nações Unidas estabeleceu 22 de março como o Dia Mundial da Água e divulgou a Declaração Universal dos Direitos da Água, que trata a substância como “o patrimônio” e “a seiva” do planeta.

E eu com isso?

Segundo o Código Florestal Brasileiro, uma área de nascentes é considerada uma APP (área de preservação permanente). Mas como aplicar isso em uma região altamente urbanizada, onde é mais fácil ver um prédio construído em cima da nascente bombeando água límpida na sarjeta.

Rafael Funari, especialista em direito ambiental e também integrante do Salve o Saracura, acredita que dá para criar “miniAPPs”, que não necessariamente reflorestem 50 metros do entorno da mina d’água, como está na legislação. “Mesmo que seja formada por fragmentos de vegetação, é importante preservar esses trechos porque eles têm importância ambiental e histórica“, diz. Uma das nascentes do rio Saracura já é cenário de luta, afinal, uma construtora anuncia o erguimento de dois prédios no terreno.

As pessoas acham que os problemas da cidade são enormes e só políticos, empresas e especialistas podem tratar deles. Não é assim. As iniciativas só ocorrem por pressão social, e os gestores correm atrás das demandas. Meu trabalho é empoderar as pessoas“, afirma Bueno, que logo emenda seu slogan:

“Temos que sonhar grande, fazer pequeno e começar logo”

Fonte: UOL/ECOA